quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012 1 comentários

Paul II - Capítulo 7

Demorei muito de novo, dessa vez foi por preguiça mesmo... Mas aqui estou, postando mais um capítulo.


Capítulo 7

   Ao acordar na manhã seguinte, me sentia horrível, pesado, com dor de cabeça e com nojo de mim mesmo por ter beijado a Sally, digo, deixado ela me beijar. Era uma lembrança vaga, mas eu sabia que tinha acontecido.
   Fiz um sanduíche de tomate e frango para mim enquanto tentava me lembrar melhor. Eu tinha gostado. Ela estava tão vermelha que parecia um pimentão, e estávamos na piscina, de roupa.
   Enquanto comia meu sanduíche e bebia água, comecei a ficar com raiva dela. A vadia tinha aceitado que seríamos só amigos.
   Liguei pra ela.
   - Alô – ouvi a voz sonolenta dela ao telefone.
   - Bom dia, aproveitadora de bêbados indefesos.
   - Anh? O quê?
   - Estou falando de ter se aproveitado da minha tonteira para me beijar de novo.
   - Ah... Isso...
   - Nunca mais confio em você.
   - Cala a boca, Paul... Eu estava tão bêbada quanto você.
   - Mentira. Eu estava mais.
   - De qualquer jeito, vai me dizer que não gostou?
   Hesitei.
   - Odiei – resolvi mentir.
   - Você mente muito mal pra um psicopata. Se odiou, por que passou a mão na minha bunda daquele jeito?
   Eu... Passei?
   - Nem me lembro disso... Talvez eu estivesse tentando me soltar.
   - Claro... Por que não diz logo que foi bom?
   - Tá... Foi... Não vamos mais falar sobre isso. Se me dá licença, preciso estudar.
   - Tudo bem, até mais.
   E desligou. Lógico que não estudei. Aquela dor de cabeça infernal não me permitiria isso. Em vez de estudar, me joguei no sofá e fiquei pensando...
   Pensando se, quem sabe, eu estivesse mesmo pronto para amar outra vez.
 
;