quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Paul cap 15

Capítulo 15

Na semana seguinte, o colégio resolveu nos levar em excursão a uma exposição de arte. Eu achava pinturas, desenhos e artes plásticas em geral uma chatice, mas minha mãe insistiu que eu fosse porque não custava nada.
Não custava nada mesmo. A excursão era de graça.
Por isso eu fui. Relutantemente, mas fui.
No ônibus, um professor avisou que alguns alunos de outro colégio estariam na exposição conosco.
Descemos do ônibus e lá estavam os alunos do outro colégio, descendo do ônibus deles.
- Será que eles são legais? – perguntou Luna.
Eu encarei aquela turma. Normais. Então, saiu uma garota de cabeça baixa e olhar impassível, atrás de um garoto comum. A garota olhou para mim e sorriu. Era Sally.
Eu acenei para ela e ela andou na minha direção.
- Como vai você, Paul?
- Vou bem. E você?
Era difícil me ouvirem dizer que vou bem. Mas eu realmente estava feliz.
- Também estou bem – disse Sally.
- Quem é ela? – perguntou Luna, com uma pitada de ciúmes na voz.
- É a garota que eu conheci no cinema, Sally. Sally, esta é minha namorada Luna.
- É – Sally disse – Eu vi ela tremendo no cinema.
Ela riu. Eu ri também. Luna fez um biquinho.
- Sou medrosa sim, e daí?
- Eu sei, Luna. É normal. Mas é engraçado – falei.
- Sim – disse Sally – Afinal, é só um filme. Há pessoas muito mais monstruosas na vida real.
Eu e Sally trocamos um olhar de cumplicidade. Sorrimos diabolicamente. Luna não percebeu. Ela estava olhando a fila de alunos que entravam na exposição.
- Precisamos entrar – disse ela.
Eu acenei para Sally e segui a fila com Luna.
- Não gostei da sua amiguinha – disse Luna.
- Nós temos muitos gostos em comum – falei – Se você gosta de mim, devia gostar dela também. Somos muito parecidos.
Luna não respondeu.
A exposição era bem chata. Não tinha quase nada interessante. Havia uma escultura de uma pessoa plantando bananeira com um grande olho na barriga. Havia também a pintura de uma mulher de vestido longo e rosa-berrante. E várias coisas parecidas.
Duas horas depois, fomos encaminhados a uma lanchonete. Maioria dos lanches eram doces. Sally apareceu do meu lado.
- Você gosta de doces? – perguntou.
Eu mostrei a língua. Ela sorriu.
- Eu também detesto. Enjoam, não?
Eu pedi um cachorro-quente. Sally pediu uma empada. Sentei-me onde Luna estava, comendo um pudim.
- E então, Paul – começou Luna, tentando arranjar assunto – quando é seu aniversário?
Demorei um pouco para responder. Não era uma data importante para mim.
- Acho que cinco de maio – respondi – Mas na verdade, não é uma data importante para mim.
- O meu é doze de novembro – disse Luna.
- Que bom – eu disse.
- E você, Sally? – perguntou Luna.
- Dezessete de maio, por aí.
- No mesmo mês que o Paullie! Que legal!
- Ahã. Legal.
Terminamos de comer em silêncio.
- Onde foi seu namorado? – perguntei a Sally.
- Ele está em alguma outra mesa lanchando com os amigos. Não gosto dos amigos dele.
- Claro, claro – disse Luna, como se pensasse o mesmo sobre os meus amigos. Ou melhor, a minha amiga.
Pigarreei:
- Luna, vamos voltar para a fila.
- Está bem.
Ela segurou meu braço e lançou um olhar competitivo para Sally.
Depois de mais uma rodada entediante de pinturas entediantes num lugar entediante com pessoas entediantes, nos dirigimos ao último quadro.
Era um dos quadros menos entediantes. Retratava uma grande árvore sem folhas. Nos seus galhos, havia cabeças sangrentas penduradas.
- Pintura interessante, não? – disse alguém.
Olhei para o lado. Era Sally. Ela deu um sorrisinho.
Uma pequena multidão se juntou em volta de um canto da parede. Todos pareciam horrorizados.
- Ele está morto! – uma garota gritou.
Eu me aproximei. Havia um garoto sentado, com a boca aberta e a cabeça tombada de lado. Havia furos de canivete na sua testa e em outras regiões da cabeça. Estava visivelmente morto.
- Duvido que ele volte a reclamar do meu cabelo – disse Sally, baixinho, ao meu ouvido.
Nós sorrimos. A polícia chegou. Os professores nos levaram embora.

9 comentários:

Blogeira=D disse...

Olá bela seu futuro como escrito esta muito perto com tantas histórias fantasticas!

eSTOU TE SEGUINDO PODERIA SEGUIR MEU BLOG TAMBEM??
]
oespacoadolescente.blogspot.com

MaNa disse...

Quero ler mais! Que venha o 16!

Anônimo disse...

ó deus ó deus !!! bando de maluco assasino >.<
eu vo fazer um filme disso qndo crescer !!!

Sílvia disse...

Olá, Bela.
Estou adorando a história, apesar de sanguinolenta, argh, ela é bem escrita. Sally consegue ser pior que o Paul. Muito mais louca.

MaNa disse...

Cadê o 16 ????

Anônimo disse...

kde o 16 ??? --'
by: daniel

Lúcio Neto disse...

Ei Belão, como você está? Ainda não tive tempo de ler suas histórias, já que estou lendo um livro e tanto. Mas o farei, com certeza =). Como achou meu Blog? Como você está? Beijos!!

Lúcio Neto disse...

- Onde foi seu namorado? – perguntei a Luna.
- Ele está em alguma outra mesa lanchando com os amigos. Não gosto dos amigos dele.
/\ não seria ''Perguntei a Sally?''. depois olha ai, belão
GENTEEE EU ADORO A SALLY. APOIO SALLY E PAUL PRA SEMPREEE
quando sai o 16? quando sair vc me avisa? beijo

Bela disse...

verdade, vo corrigir

Postar um comentário

 
;